Juliana

Share your story

Das coisas que aconteceram em minha vida, posso considerar essa, é de longe, a mais díficil experiência que passei. Estar no meio de um curso, recém-divorciada, e prestes à fazer intercâmbio, além de estar a pouquissimo tempo com a pessoa que me engravidou, é que me fizeram refletir e tomar a atitude que tomei. Se me orgulho de fazer isso? Não, mas com certeza, estava ciente do que queria e o que precisava fazer no momento. Assim como algumas mulheres, nunca havia pensado no aborto como opção, considerava que cada um tem que arcar com a responsabilidade do ato feito, mas quem disse que tomar a decisão e passar por todo o processo já não é arcar com a responsabilidade? Passar por todo o sofrimento calada, fingir que nada está acontecendo com você, quando na verdade sua cabeça está um inferno, seu corpo já começa a mudar? A diferença é não ser a decisão que a sociedade, o governo, a igreja quer.
A partir do que passei, acho mais do que necessário as mulheres terem direito a um aborto seguro, se assim lhe convém. Há muitos casos de mulheres que morreram, por falta de apoio da família e por não ser legalizado, pois no desespero, você toma remédios em excesso, toma chás intoxicantes, vai em clínicas clandestinas, correndo diversos riscos. Legalizar o aborto evitaria muitas mortes, além de evitar o nascimento de uma criança que pode ser rejeitada pela mãe, sendo abandonada, ou não tendo o amor que mereça.
Se eu quero ser mãe? Quero, mas quando tiver condições de criar meu filho com segurança e com todo o amor e atenção que ele mereça.
Sobre minha história, fiquei com a pessoa no dia 30/04, e no dia 17/05 tive um sonho de que estava grávida, acordei desesperada, sabia que estava alguns dias atrasada, mas foi instinto, fiz o exame e deu positivo, na dúvida, repeti o teste de farmácia, positivo novamente, entrei em choque, não consegui pensar, rir, chorar, não conseguir fazer absolutamente nada! Avisei meu companheiro, o seu desejo sempre foi ser pai, mas apoiou minha decisão, e me ajudou, procurando com amigas feministas, grupos de mulheres que expusessem qualquer coisa que nos ajudasse. Comecei tomando chás, até o momento, tenho asco de sentir alguns cheiros, fiz chá de artemisia, arruda, canela, cravo e por último tentei o temido chá da buchinha do norte, dito infalível, e no fim de tudo, falhou! Meu desânimo e desespero aumentaram, tinha que ir pra faculdade e fingir estar tudo bem, mas muitas vezes faltei, pois não tinha coragem de olhar meus amigos e sorrir e ser a mesma de antes, afinal, depois disso tudo, depois de tanta toxina, creio que ter o bebe fosse mais arriscado do que nunca, ele nasceria com problemas sérios. Foi então, procurando no Women on Web que comecei a ler os comentários e surgiu mais força para continuar lutando pela minha decisão, e encontrei uma história de uma moça que comentava de uma Danica, depois de pesquisas e e-mails que troquei com ela, confiei e comprei as pílulas, passei a semana ansiosa com a chega das pílulas e pensando se aconteceria qualquer imprevisto.
Em questão de 2 dias, minhas pílulas chegaram, e resolvi tomar no mesmo dia, fiz todo o procedimento, de me alimentar com coisas leves, comprar remédio pra dor e tudo mais. Meu método (acho q cada um deva ter o seu, foi com a ajuda da Danica), coloquei dois comprimidos sublingual, e 2 intravaginal. Cerca de 30min, o comprimido tinha desfeito e comecei a sentir cólicas e calafrios. Em 1h comecei a sangrar, foi muito rápido, me deu muitas esperanças. A Danica, um amor de pessoa, me assistiu de longe pelo whatsapp, me ajudando. Depois de 3h teria que colocar mais 2 intra, mas tava sangrando o suficiente para ser arriscado perdê-los, tomei sublingual, em 30min me deu uma ansia muito grande, por mais que tentasse segurar, não consegui e fiquei com medo de não fazer o efeito. Tive um pouco de febre, mas como ela me disse, não passou de 38,5º C. Mais cólicas, um pouco mais fortes, mas nada absurdo. 1h depois sentia que estava descendo muito sangue, achei que estava com hemorragia, e fui no banheiro trocar o absorvente, e na hora que fui fazer xixi, escorregou uma bola, achei que era um coágulo, e não é que era o tinha dado certo? Fiquei muito espantada, porque achei que ia sofrer horrores, pois li várias histórias, mas foi muito mais fácil do que imaginava.
O processo todo levou cerca de 5h, e sem muito sofrimento, como se eu estivesse com cólicas menstruais! Estou muito feliz, e com certeza indico com a maior segurança, o contato da Danica ..................Graças que existe pessoas de boa índole e que nos ajudam.

2015 Brazil

Did the illegality of your abortion affect your feelings?

Sim, tomar uma decisão que o governo, o país e as pessoas são contra, nos afetam psicologicamente.

How did other people react to your abortion?

Me apoiaram a todo momento

María

Aborté y no me arrepiento. I do not regret my abortion.

O.N.A

Wieść o ciąży była dla mnie szokiem, ale mogłam się jej spodziewać bo niestety…

Grace Grace

Y no existe arrepentimiento.

EV

I had an abortion and I do not regret my choice. It is very important to me to…

Lauren Jackson

I got pregnant while in college in Tennessee in 1976 and had an illegal…

Carolina

Estou numa relação estável há 4 anos e há 2 parei de usar anticoncepcional…

Luiza N.

Minha história foi completamente diferente de tudo que li aqui no site…

Eva Paradise

Aborté. Fue un alivio. Nunca me arrepentí. Hoy tengo dos hijos y puedo criarlos…

y.enedi

yo decidi un aborto,

AMANDA QUEIROZ

Eu e meu noivo estamos há 03 anos juntos e temos muitos planos. Comprar nossa…

keira

Chcę mieć kontrolę. Zrobiłam to i NIE ŻAŁUJĘ.

Wzięłam pierwszą tabletkę, czułam…

Morrigan

I don't regret it. It was one of the wisest decisions I ever made in my life. I'…

Fernanda

Hola mi nombre es fernanda tengo 23 años y mi historia comenzo cuando un condon…

Maiara Rejane

Não havia outra alternativa.
Dia 02 de Julho, voltava de uma festa, havia bebido…

paola paola

Yo aborté